Lembrança

Jamais te esqueci, ó filha querida!
Jamais um momento te pude esquecer;
és laço sagrado de uma união florida,
és fruto primeiro de meu rude ser...

E se distante, na noite esquecida,
nos meus sofrimentos eu tento te ver,
a tua lembrança é sopro de vida
na luta sofrida do meu padecer.

Se hoje de longe te aceno uma bênção
e algo me priva de ir te abraçar;
aceita estes versos que outros não são,
presentes escolhidos que deves cantar.

Abraça tua mãe, também teus irmãos,
tua santa avozinha que está a te olhar
e joga-lhes flores, com ambas as mãos
e dai-lhes um beijo, não deves falhar.

Não tenho mais forças para prosseguir,
nem coisas nenhuma mais posso rimar;
porque os meus olhos de tanto sentir,
estão cheios de lágrimas, só sabem chorar.