O voluntário do sertão


(Fragmento)

ERA AO CAIR do sol no viso das montanhas!
Era ao chegar da noite as legiões estranhas. . .,
Ao farfalhar das sombras - a tribo sussurrante -
Aves da escuridão que descem do levante.
Do vale no turíbulo embala-se a neblina...
Soam no bosque as harpas em trêmula surdina.
Como nas mãos do padre, o monte que transluz
No braço ergue o sol - hóstia imensa de luz.
Ouve-se um desdobrar de telas e de véus...
No espaço arma-se a noite -a tenda azul de Deus.
Era ao cair do sol! Por íngreme caminho
Em fundo refletir, a galopar sozinho,
Eu subia de um cerro o cimo alcantilado
Donde melhor se avista a aldeia... o campo... o prado.

Ali a Pronta Aguda o espaço invade franca!
Ergue-se calcinada ao longe a Pedra Branca.
Lá vai monte após monte... o olhar vaga perdido
Nessas ondas titães de um mar arrefecido ...
Que outrora as sacudiu como bordas macedônicas
Ao estridor das forças ignívomas, plutônicas,
Quando ainda a lutar rebelde alçava um combro
De um ciclone tombado a mão o braço o ombro!