À capela do Almeida

Grato oásis do viajante,
Terra de lindos primores,
Tu és sultana das flores,
Bela filha do sertão.

Aí no regaço ameno
O lasso e triste romeiro,
Se esquece do amor primeiro
Pois te dá seu coração.

Que importa por longes terras
Se ostentem mil maravilhas?
Paris, Nápoles, Sevilha,
Não têm o atrativo teu.

Em vez de luxo - tens flores,
Em vez de sedas - perfumes,
Em vez de bailes - os lumes
Das estrelinhas do Céu.