A Casa do Bruxo

VOLTAR

49 poesias
Alberto Caeiro

Poemas Inconjuntos


  • Água, A
  • Ah! Querem uma Luz
  • Assim como falham as palavras...
  • Criança, A
  • Criança Desconhecida
  • Creio
  • De Longe
  • Dizes-me
  • Entre o que Vejo
  • É Noite
  • Espantosa Realidade das Cousas, A
  • Espelho, O
  • Estas Verdades
  • Estou Doente
  • É Talvez o Último Dia da Minha Vida
  • Falas de Civilização
  • Gozo os Campos
  • Guerra, A
  • Hoje de Manhã
  • Não basta abrir a janela
  • Navio que Partes
  • Neve, A
  • Noite de São João
  • Noite Desce, A
  • Nunca sei como é que se pode achar
  • Ontem o Pregador
  • Pouco a Pouco
  • Pouco me Importa
  • Primeiro Prenúncio
  • Pastor do Monte
  • Quando Tornar a Vir a Primavera
  • Quando Vier a Primavera
  • Quando Está Frio
  • Quando a Erva Crescer
  • Que Ouviu os Meus Versos, O
  • Seja o que For
  • Se Eu Morrer Novo
  • Se Depois de Eu Morrer
  • Se o Homem Fosse
  • Também Sei Fazer Conjeturas
  • Todas as Opiniões
  • Tu, Místico
  • Um Dia de Chuva
  • Última Estrela
  • Uma Gargalhada
  • Único Mistério do Universo, O
  • Universo, O
  • Verdade, Mentira
  • Vive