Parabéns

Vinte e seis invernos.
Ainda
não entendi bem
a beleza triste de Bandeira.
Só as tristezas belas
de Beethoven.

Ainda
não reconheço
minha imagem refletida
na distorção da vida.

E ainda me lembro saudoso
da época mágica
em que usava capa de fralda,
corria, brincava, sorria...
quando tinha medo, chorava:

Tudo se resolvia
melhor do que hoje em dia.

(E por não tentar
saber o que era o amor,
amava.)

3/6/02