Caminho

Eu vou adiante
da prisão megalópole industrial.

Vou ganhando terreno
baldio, maldito, sozinho...

Vou desconhecendo
mais e mais
a tudo, a todos, a mim
a desbotar no cinza.

Eu vou,
pois quem fica,
foge.

2/7/02