Paz

Não há voz
discurso
ou tiro
que valha a pena.

O silêncio,
navio gigante,
viaja constante
e vence o poema.

3/9/02