Baixo

Destampem os ouvidos:
eu não vou gritar meus poemas.
Não quero crescer assim minhas certezas.
(Elas são pequenas e tímidas como eu.)

Nem farei piruetas,
ou virarei cambalhotas
para compensar as alegorias poucas dos versos
e as alegrias poucas da vida.

Minha poesia tem vergonha
de acordar o sonho do silêncio.

17/9/02