Pessoa perdido

Poeta encontra tradução desconhecida feita pelo autor de "Mensagem"

A 26 de maio de 1990, o então suplemento "Letras" deste jornal divulgava que o livreiro paulista José Luiz Geraldi, garimpando no seu comércio de obras raras, havia descoberto cinco traduções de Fernando Pessoa, até então desconhecidas, de poemas de Tennyson, Wordsworth, Thomas Moore, John Whittier e James Lowell, encontradas na "Biblioteca Internacional de Obras Célebres", um cartapácio de 24 volumes com cerca de 13 mil páginas.

Os conhecedores da obra de Fernando Pessoa consultados foram unânimes em afirmar que essas traduções eram desconhecidas, não constando de nenhuma bibliografia do poeta. A descoberta era, sem dúvida, uma notícia literária de importância para um melhor conhecimento da obra completa de Fernando Pessoa, principalmente por não constar de seu acervo (o famoso baú).

O crítico e ensaísta português Arnaldo Saraiva, grande estudioso da obra pessoana, nove anos depois, publicou um livro denominado "Fernando Pessoa - Poeta-Tradutor de Poetas" (Nova Fronteira), em que, referindo-se em tom um tanto depreciativo àquela descoberta, relata ter encontrado muitas outras traduções de Pessoa ou atribuíveis a ele, numa pesquisa mais aprofundada que fizera no monumental calhamaço. O trabalho de Saraiva é exemplar: cita fontes, números do volume e da página, pesquisa a data da edição da obra, seus autores e colaboradores, cataloga o corpus das traduções pessoanas e até mesmo analisa a sua teoria e prática da tradução.

Obra impecável, não fosse por lhe ter passado pela peneira crítica uma página, precisamente a de número 9.802, do volume 20, em que aparece, com a indicação "Trad. de Fernando Pessôa", o poema "A Glória", de um equívoco sr. Alexandre Magariños Cervantes. O autor, segundo informa a epígrafe do poema, é um poeta "uruguayano" (sic), nascido em Montevidéu, em 1825, que iniciou sua carreira literária na Espanha, foi depois a Paris, onde fundou a "Revista de Ambos Mundos". Em 1855 regressou à pátria, onde foi catedrático de direito internacional na universidade, senador e ministro. Por aí pode-se avaliar a qualidade dos poetas. O poema é medíocre e grandiloquente, mas a culpa da escolha não pode recair sobre Pessoa, que fazia esses trabalhos com espírito amanuense de tradutor profissional e sabendo que a maioria deles sairia sem indicação do tradutor.
Como curiosidade e para complementar a excelente obra de Saraiva, o Mais! publica ao lado a referida tradução, encontrada pelo poeta Eric Ponty, de São João del Rei, nos alfarrábios da família.

A Glória

Alexandre Magariños Cervantes
Tradução de Fernando Pessoa

Avante!... sempre avante!... nada importa
Que, rasgando o dossel do céu ingente
Qual flamígera nuvem, véu ardente
Ameace o universo devorar;

Avante!... sempre avante!... nada importa
Que zumba o furacão, e em fero embate
O raio tremebundo se desate,
E em seus fundos abismos ruja o mar!

Não importa que em louco torvelinho
Se despenhe tremenda a catarata,
E cubra com o seu lençol de prata
O plaino e o bosque até ao seu confim.

Sob o pé do viageiro audacioso
Não importa que a terra trema ou ceda,
Que não encontre rasto nem vereda
Que da viagem o conduza ao fim.

E avante seguirá, e sempre avante!
Cruzando sempre com crescentes brios
Selvas, desertos, páramos e rios,
Que absortos deixam a alma e o coração.

O sol a prumo lançará seus raios
Mas vão será que ao viajor assaltem
Que incendeiem o ar, e na erva saltem
Suas línguas de fogo em rebelião.

Ele impassível cruzará os braços,
E ainda que um instante o aterre o fogo,
O seu olhar altivo e firme logo
No espaçoso horizonte cravará.

E entre nuvens de cinzas escaldantes
Pisando a terra que inda ardendo acha,
Ser-lhe-á o incêndio gloriosa facha
E atrás das chamas para diante irá.

Avante sempre!... Fétidas lagoas,
Negros vapores que só morte exalam,
Vampiros que com sangue se regalam,
Insetos vis de peçonhento fel,

Serpentes que anunciam-se ferindo,
Magros tigres da selva nos horrores,
E que da lua aos trêmulos fulgores
Rugindo se aproximam em tropel;

Bárbara tribo que se oculta infida
E ao cristão vingativa morto deixa
Com a veloz envenenada flecha
Que silva, fere, passa e não se vê:

Nada amedronta nem detém o forte
Varão no seu caminho agro e divino;
Pode prostrá-lo ali o seu destino...
Mas não forçá-lo a desviar o pé!

Um impulso secreto, um misterioso
Instinto que seus passos firme rege,
O arrebata, o impele e o dirige
Para a sua missão, triste ou feliz.

E cai, e se levanta, e cai de novo,
E outra vez se levanta inda mais forte,
E segue sem temer para o seu norte,
O peito sossegado e alta a cruz.

Talvez por prêmio do afã seu, ao grato
Porto da sua ansiada esp'rança chegue,
E que ao vindouro o seu nome legue
Coberto de uma auréola divinal.

E talvez o demônio - cujo esforço
E p'ra que o gênio ou o ardor sucumba -
Dê à sua ânsia prematura tumba
E ao seu nome o olvido perenal.

Deste modo é a glória!... os que a perseguem
A juventude imolam-lhe nas aras,
Ditas, prazeres, e quimeras caras,
Quanto entesoura a alma e o coração.

Assim somente se fecunda e brota
E se entreabre seu espinhoso lírio;
Porque a glória é, ou nada, ou o martírio,
É do anjo proscrito a expiação!

Enquanto o homem vive, ela lhe pede
A seiva toda da existência sua,
E faz que ardente sem cessar reflua
Pela frágua do tempo o seu porvir -

O porvir que não chega senão quando
A alma quebra a escravidão terrena
E se levanta à região serena
Entre nuvens de rosa e de safir.

Vem a glória depois, a virgem casta,
Que foge do homem quanto mais a implora,
E em seu sepulcro se lhe entrega e chora
Porque vivendo lhe negou o amor:

A terra beija que seus restos cobre,
E o puro pranto que abundoso verte
Em luz e aromas e lauréis converte
O lodo vil que só causava horror.

São Paulo, Domingo, 14 de Novembro de 1999.

Ivo Barroso especial para a Folha de São Paulo

Ivo Barroso é poeta e tradutor, entre outros, de "Arthur Rimbaud
Poesia Completa" (Ed. Aguilar).