Saudade de Manoel Bandeira

Não foste apenas um segredo
De poesia e de emoção
Foste uma estrela em meu degredo
Poeta, pai! áspero irmão.
Não me abraçaste só no peito
Puseste a mão na minha mão
Eu, pequenino - tu, eleito
Poeta, pai!, áspero irmão.
Lúcido, alto e ascético amigo
De triste e claro coração
Que sonha tanto à sós contigo
Poeta, pai! áspero irmão?