A música das almas

"Le mal est dans le monde comme un esclave qui fait monter l'eau."
Claudel

Na manhã infinita as nuvens surgiram como a Ioucura numa alma
E o vento como o instinto desceu os braços das árvores que estrangularam a terra...
Depois veio a claridade, o grande céu, a paz dos campos...
Mas nos caminhos todos choravam com os rostos levados para o alto
Porque a vida tinha misteriosamente passado na tormenta.

Rio de Janeiro, 1935

Vinícius de Moraes