Krig-Ha, Bandolo! (1973)


Back
Mosca na Sopa Go
Metamorfose Ambulante Go
Dentadura Postiça Go
As Minas do Rei Salomão Go
A Hora do Trem Passar Go
Al Capone Go
How Could I Know Go
Rockixe Go
Cachorro Urubu Go
Ouro de Tolo Go
Caroço de Manga Go
Loteria da Babilônia Go















Mosca na Sopa
(Raul Seixas)

Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar

Eu sou a mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar

E não adianta vim me dedetizar
Pois nem o DDT pode assim me exterminar
Porque você mata uma e vem outra em meu lugar

Atenção, eu sou a mosca
A grande mosca
A mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto a ZUM ZUM ZUM zumbizar
Observando e abusando
Olhe pro lado agora!
Eu tô sempre junto de você
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Quem - lhe?
Quem - lhe?
A mosca, meu irmão!
 

Volta ao Início


Metamorfose Ambulante
(Raul Seixas)

Prefiro ser essa metamorfose ambulante
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Quero dizer agora o oposto do que eu disse antes

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Sobre o que é o amor
Sobre que eu nem sei quem sou

Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor
Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator...
É chato chegar a um objetivo num instante
Eu quero viver nessa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Sobre o que é o amor... etc.

Vou desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes
Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião formada...
Do que ter aquela velha...

Volta ao Início


Dentadura Postiça
(Raul Seixas)

Vai cair Vai cair
Vai cair A estrela no céu
Vai cair A noite no mar
Vai cair O nível do gás
Vai cair A cinza no chão
Vai cair Juízo Final
Vai cair Os dentes de Jó
Vai cair O preço do caos
Vai cair Peteca no chão

Vai sair O sol outra vez
Vai sair Um filho prá luz
Vai sair Da cara o terror
Vai sair O expresso 22
Vai sair A máscara azul
Vai sair O verde do mar
Vai sair Um novo gibi
Vai sair Da cara o suor

Vai subir Cachorro urubu
Vai subir O elevador
Vai subir O preço do horror
Vai subir O nível mental
Vai subir O disco voador
Vai subir A Torre de Babel
Vai subir O Cristo pro céu
Vai subir A chama do Mal

Volta ao Início


As Minas do Rei Salomão
(Raul Seixas e Paulo Coelho)

Entra e vem correndo para mim
Meu princípio já chegou ao fim
E o que me resta agora é o seu amor

Traga a sua bola de cristal
E aquele incenso do Nepal
Que você comprou num camelô

E me empresta o teu colar
Que um dia eu fui buscar
Na tumba de um sábio Faraó

Veja quantos livros na estante
Dom Quixote e o Cavaleiro Andante
Luta a vida inteira contra o Rei

Jogue as cartas, leia a minha sorte
Tanto faz a vida como a morte
O pior de tudo eu já passei

Do passado me esqueci
No presente me perdi
Se chamarem diga que eu saí

Volta ao Início


A Hora do Trem Passar
(Raul Seixas e Paulo Coelho)

Você tão calada e eu com medo de falar
Já não sei se é hora de partir ou de chegar
Onde eu passo agora não consigo te encontrar
Ou você já esteve aqui ou nunca vai estar

Tudo já passou, o trem passou, o barco vai
Isso é tão estranho que eu nem sei como explicar

Diga, meu amor, pois eu preciso escolher
Apagar as luzes, ficar perto de você
Ou aproveitar a solidão do amanhecer
Prá ver tudo aquilo que eu tenho que saber

Volta ao Início


Al Capone
(Raul Seixas)

Hei, Al Capone, vê se te emenda
Já sabem do teu furo, nego
No imposto de renda

Hei, Al Capone, vê se te orienta
Assim desta maneira, nego
Chicago não agüenta

Hei, Julio Cesar, vê se não vai ao senado
Já sabem do teu plano para controlar o Estado
Hei, Lampião, dá no pé, desapareça
Pois eles vão à feira exibir tua cabeça

Hei, Jimi Hendrix, abandona o palco agora
Faça como fez Sinatra, compre um carro e vá embora
Ei, Jesus Cristo, o melhor que você faz
É deixar o Pai de lado e foge prá morrer em paz

Eu sou astrólogo
Eu sou astrólogo
Vocês precisam acreditar em mim
Eu sou astrólogo
Eu sou astrólogo
E conheço a história do princípio ao fim

Volta ao Início


How Could I Know?
(Raul Seixas)

Reformulation, re-arrange the game you`re in
Let us start from begin with confidence you`ll win
That`s the reason you were born

Cause Jesus Christ, man
Won`t be coming back no more
He set up his proper laws
And you know well that he did
Just what he should have done

As I was growing and my hair was getting longer
I was feeling so much stronger
I could carry my guitar and I knew that I could sing

But, hey, how could I know
The wind would blow with the rain?
Hey, how could I see
What would they make out of me?

When I was little
Used to dream I was a King
Now they taught me how to sing
Think I`ve lost most everything
I could ever asked for

You`ve got pencil, your guitar, your amplifier
Searching for the lousy liers
You`ll set this word on fire
Like Nero did to Rome

Hey, how could I know
My eyes could see in the dark?
Hey, don`t press on me
I`m not to blame can`t you see?

It`s been too long now
Since the latest reb has gone
Who knows you`ll be the next
To go down in history?

Como Eu Ia Saber?

Reformular, reorganize o jogo
No qual você está metido
Comecemos do princípio

Com a certeza de que você vai ganhar
Pois esta é a razão
Pala qual você nasceu

Porque Jesus Cristo, cara
Não vai mais voltar
Ele fez as regras dele
E você sabe muito bem
Que ele fez justamente o que deveria ser feito

Enquanto eu crescia
Meus cabelos cresciam comigo
E eu me sentia cada vez mais forte
Eu já podia segurar minha guitarra
E tinha certeza de que podia cantar

Mas, hey! como eu ia saber
Que o vento soprava com a chuva?
Hey! como eu ia enxergar
O que eles iam fazer de mim?

Quando eu era pequeno
Sonhava em ser um rei
Mas agora que eles me ensinaram a cantar
Eu creio que eu tenho tudo
Que sempre eu quis ter

Você tem sua pena
Sua guitarra, seu amplificador
Sempre à caça dos sem-vergonhas, mentirosos
Você tocará fogo nesse mundo
Assim como Nero fez com Roma

Mas, hey! como eu ia saber
Que meus olhos enxergavam no escuro?
Hey! não me pressione
Você não vê que eu não sou culpado?

Já faz tempo agora
Que o último revolucuinário se foi
Mas quem sabe se você não será o próximo
A dar continuidade à História?

Volta ao Início


Rockixe
(Raul Seixas e Paulo COelho)

Vê se me entende olha o meu sapato novo
Minha calça colorida o meu novo way of life
Estou tão lindo porém bem mais perigoso
Aprendi a ficar quieto e começar tudo de novo

O que eu quero, eu vou conseguir
O que eu quero, eu vou conseguir
Pois quando eu quero todos querem
E quando eu quero todo mundo pede mais
(e pede bis)

Eu tinha medo do seu medo do que eu faço
Medo de cair no laço que você me preparou
Eu tinha medo de ter que dormir mais cedo
Numa cama que eu não gosto só porque você mandou

Você é forte mas eu sou muito mais lindo
O meu cinto cintilante, a minha bota e o meu boné
Não tenho pressa, tenho muita paciência
É na esquina da falência que eu te pego pelo pé

Olha o meu charme, minha túnica, meu terno
Eu sou o anjo do inferno que chegou prá lhe buscar
Eu vim de longe, vim duma metamorfose
Numa nuvem de poeira que pintou prá lhe pegar

Você é forte, faz o que deseja e quer
Mas se assusta com o que eu faço, isso eu já posso ver
E foi com isso, justamente, que eu vi
Maravilhoso, aprendi que eu sou mais forte que você

Volta ao Início


Cachorro Urubu
(Raul Seixas e Paulo Coelho)

Baby, essa estrada é comprida
Ela não tem saída
É hora de acordar
Prá ver o galo cantar
Pro mundo inteiro escutar

Baby, a história é a mesma
Aprendi na quaresma
Depois do Carnaval
A carne é algo mortal
Com multa de avançar sinal

Todo jornal que eu leio
Me diz que a gente já era
Que já não é mais primavera
Ô, baby, a gente ainda nem começou

Baby, o que houve na França
Vai mudar nossa dança
Sempre a mesma batalha
Por um cigarro de palha
Navio de cruzar deserto

Baby, isso só vai dar certo
Se você ficar perto
Eu sou um índio Sioux
Eu sou cachorro urubu
Em guerra com Zé Ú

Volta ao Início


Ouro de Tolo
(Raul Seixas)

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou o dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros por mês

Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso na vida como artista
Eu devia estar feliz porque
Consegui comprar um Corcel 73

Eu devia estar alegre e satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa
Eu devia estar sorrindo e orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isto uma grande piada
E um tanto quanto perigosa

Eu devia estar contente
Por ter conseguido tudo que eu quis
Mas confesso abestalhado
Que eu estou decepcionado

Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto: E daí?
E tenho uma porção de coisas grandes
Prá conquistar, eu não posso ficar aí parado

Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Prá ir com a família ao jardim zoológico
Dar pipoca aos macacos

Ah, mas que sujeito chato sou eu
Que não acha nada engraçado
Macaco, praia, carro, jornal, tobogã
Eu acho tudo isso um saco

É você olhar no espelho
Se sentir um grandessíssimo idiota
Saber que é humano, ridículo
Limitado, e que só usa dez por cento de sua cabeça-animal

E você ainda acredita que é um doutor
Padre ou policial
E que está contribuindo com sua parte
Para o nosso belo quadro social

Eu é que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes, esperando a morte chegar

Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais
No cume calmo do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
Dum disco voador

Volta ao Início


Caroço de Manga
(Raul Seixas)

Sempre que eu lhe dou a mão
Você segura no meu pé
Eu faço tudo por você
Tudo o que você quiser

Eu quero uma colher de chá
No grande jogo de xadrez
Não quero ver você chorar
Não quero ver você chorar

Tou aqui pro que vier
Eu danço o que você tocar
É só dar corda no boneco
Tango, Rock ou tcha-tcha-tcha

Não tenho nada a perder
Aquilo que pintar eu tô
Porque eu gosto de você
Porque eu gosto de você

Essa vida inteira é uma brincadeira
É só ficar quieto e não dar bandeira
Você chupou a manga até o fim
E só deixou o caroço para mim
E melhor que isso só carnaval
Pegue essa motocicleta
E vá mostrar quem é você
Bota o teu blusão de couro
Agora é que eu quero ver

Na arrancada do futuro
Sem nunca pedir arrego
Nos olhos cegos do morcego
Nos olhos cegos do morcego

Volta ao Início


Loteria da Babilônia
(Raul Seixas)

Vai e grita ao mundo que você está certo
Você aprendeu tudo enquanto estava mudo
Agora é necessário gritar e cantar Rock
E demonstrar o teorema da vida
E os macetes do xadrez

Você tem as respostas das perguntas
Resolveu as equações que não sabia
E já não tem mais nada o que fazer a não ser
Verdades e verdades
Mais verdades e verdades para me dizer
A delarar

Tudo o que tinha que ser chorado já foi chorado
Você já cumpriu os doze trabalhos
Reescreveu livros dos séculos passados
Assinou duplicatas, inventou baralhos

Passeou de dia e dormiu de noite
Consertou vitrolas para ouvir música
Sabe trechos da Bíblia de cor
Sabe receitas mágicas de amor

Conhece em Marte um amigo antigo lavrador
Que te ensinou a ter do bom e do melhor
Do melhor

Mas o que você não sabe por inteiro
É como ganhar dinheiro
Mas isso é fácil e você não vai parar
Você não tem perguntas pra fazer
Porque só tem verdades pra dizer
Pra declarar

Volta ao Início
Volta ao Menu de Discos