Metrô Linha 743 (1984)


Back
Metrô Linha 743 Go
O Messias Indeciso Go
Meu Piano Go
Quero Ser o Homem que Sou
(Dizendo a Verdade) Go
Canção do Vento Go
Mamãe Eu Não Queria Go
Mais I Love You (Pra Ser Feliz) Go
Geração da Luz Go















Metrô Linha 743
(Raul Seixas)

Ele ia andando pela rua meio apressado
Ele sabia que tava sendo vigiado
Cheguei pra ele e disse: Ei amigo, você pode me ceder um cigarro?
Ele disse: Eu dou, mas vá fumar lá do outro lado!
Dois homens fumando juntos pode ser muito arriscado!
Disse: O prato mais caro do melhor banquete é o que se come cabeça de gente
Que pensa e os canibais de cabeça descombrem aqueles que pensam porque quem
Pensa, pensa melhor parado! Desculpe a minha pressa, fingindo atrasado,
Trabalho em cartório mas sou escritor.
Perdi minha pena nem sei qual foi o mês...
Metrô Linha 743

O homem apressado me deixou e saiu voando
Aí eu me encostei num poste e fiquei fumando
Três outros chegaram com pistolas na mão, um gritou:
Mão na cabeça, malandro, se não quiser levar chumbo quente nos cornos
Eu disse: Claro, pois não! Mas o que é que eu fiz?
Se é documento, eu tenho aqui...
Outro disse: Não interessa, pouco importa, fique aí!
Eu quero saber o que você estava pensando
Eu avalio o preço me baseando no nível mental
Que você anda por aí usando,
E aí eu lhe digo o preço que sua cabeça agora está custando.
Minha cabeça caída, solta no chão
Eu vi meu corpo sem ela pela primeira e última vez
Metrô Linha 743

Jogaram minha cabeça oca no lixo da cozinha
E eu era agora um cérebro vivo à vinagrete
Meu cérebro logo pensou: Que seja, mas nunca fui tiete!
Fui posto à mesa com mais dois, e eram três pratos raros
E foi o maitre que pôs
Senti horror ao ser comido com desejo por um senhor alinhado
Meu último pedaço, antes de ser engolido, ainda pensou grilado:
Quem será o desgraçado dono dessa zorra toda!!!
Já tá tudo armado, o jogo dos caçadores canibais
Mas o negócio é que tá muito bandeira!!!
Tá bandeira demais, meu Deus!!!
Cuidado brother, cuidado sábio senhor
Eu aconselho sério prá vocês
Eu morri, e nem sei mesmo qual foi o mês
Metrô Linha 743

É... Por aí!

Volta ao Início


O Messias Indeciso
(Raul Seixas e Kika Seixas)

Certa vez houve um homem
Comum como um homem qualquer
Jogou pelada descalço
Cresceu e formou-se em ter fé

Mas nele havia algo estranho
Lembrava ter vivido outra vez
Em outros mundos distantes
E assim acreditando se fez
(Sim)

E acreditando em si mesmo
Tornou-se o mais sábio entre os seus
E o povo pedindo milagres
Chamava esse homem de Deus

Ah! Quantas ilusões
Ah! Quantas ilusões
Nas luzes do arrebol
Quantos segredos terá?
Quantos segredos terá?

E enquanto ele trabalhava
Na sua tarefa escolhida
A multidão se aglomerava
Perguntando segredos da vida

E ele falou simplesmente
Destino é a gente que faz
Quem faz o destino é a gente
Na mente de quem for capaz

E vendo o povo confuso
Que terrível, cada vez mais lhe seguia
Fugiu pra floresta sozinho
Pra Deus perguntar pra onde ia

Mas foi sua própria voz quem falou
Seja feita a sua vontade
Siga o seu próprio caminho
Pra ser feliz de verdade

E aquela voz foi ouvida
Por sobre morros e vales
Ante ao messias de fato
Que jamais quis ser adorado

Volta ao Início


Meu Piano
(Raul Seixas, Kika Seixas e Cláudio Roberto)

Nada mais é coerente
Se virar de trás pra frente
Tanto fez como tanto faz
Já experimentei a casa inteira
E não achei um lugar pro meu piano...

Entra ano e sai ano
Não cogito em fazer planos
E eu só gostei do quadro que eu não pintei!

Lá pras três da madrugada
A síndica embriagada
Resolveu escancarar
Numa briga com o marido
Num acorde sustenido
E o meu piano fora do lugar...
Haja santo e haja vela
Mesmo assim a Cinderela
Meia-noite vai desencantar. Desencantar!

Cinderela, Cinderela, Cinderela
Bota meu piano no lugar...

Eis que a noite se fez dia
E eu naquela agonia
Vi pela janela um velho entrar
Se dizendo faxineiro, um expert em banheiro
Pro meu piano afinar
E aos trancos e barrancos
Vasculhei todos os cantos
E o meu piano sempre fora do lugar

Cinderela, Cinderela, Cinderela
Bota meu piano no lugar...

Volta ao Início


Quero Ser o Homem que Sou (Dizendo a Verdade)
(Raul Seixas, A. Simeone e Kika Seixas)

Dizendo a verdade
Somente a verdade
Mas dizendo a verdade
Somente a verdade

Essa vã criatura indecisa do mal
Indecisa no bem
Sempre buscando venturas e sempre à procura
Das dores também
Com todos os desejos, pecados, receios
Rancor e arquejos
Do animal que gargalha
E que traz na boca rugidos e beijos!

Dizendo a verdade
Somente a verdade

Esse gênio esboçado, essa criança louca
Esse filho da dor
Que foi capaz de erguer do lodo

U'a voz rouca e um canto de amor
Enquanto geme e chora
Mata e mente, acusa e defende
Deixa ficar pra trás
Na sua jornada uma canção de glória!

Quero ser o homem que sou
Sim, quero ser o homem que sou
Sim, quero ser o homem que sou

Mas... dizendo a verdade
Somente a verdade
Dizendo a verdade

Eu quero ser o homem que sou
Assim, da maneira que sou

Volta ao Início


Canção do Vento
(Raul Seixas e Kika Seixas)

Lá vai o vento, Brasil adentro
Lá vai o vento, Brasil adentro
Lá vai o vento, Brasil adentro

Vento, vento zangado
Desmancha os cabelos da velha do lado
Sopra teu longo assovio
E brinca de roda com quem tá parado!
Vai, arrasta a chuva
Assanha estas nuvens de tempestade
Mas sopra doce o teu sopro
No rosto do moço que fala a verdade

Dos anjos da luz
Das bestas sua igualha

Vento que venta cantando
Embala as palmeiras na beira do mar
Conta a história das matas
Do verde das terras do lado de cá

Assopra e faz ventania
De noite ou de dia
Trazendo recados
Vento que varre os sertões
Levando notícias
Não fica calado

Dos anjos sua luz
Das bestas sua igualha

Lá vai o vento, Brasil adentro
Lá vai o vento, Brasil adentro
Lá vai o vento, Brasil adentro

Volta ao Início


Mamãe Eu Não Queria
(Raul Seixas)

Larga dessa cantoria menino
Música não vai levar você à lugar nenhum
Peraí mamãe, guenta aí

Mamãe, eu não queria
Mamãe, eu não queria
Mamãe, eu não queria
Servir o exército

Não quero bater continência (Trá-lá-lá-lá)
Nem pra sargento, cabo ou capitão (Trá-lá-lá-lá)
Nem quero ser sentinela
Que nem cachorro vigiando o portão
Não!

Mamãe, eu não queria
Mamãe, eu não queria

Desculpe, Vossa Excelência
A falta de um pistolão
É que meu velho é soldado
E minha mãe pertence ao Exército da Salvação
Não!

Marcha soldado, cabeça de papel
Se não marchar direito vai preso pro quartel

Sei que é uma bela carreira
Mas não tenho a menor vocação
Se fosse tão bom assim mainha
Não seria imposição
Não!

Mamãe, eu não queria
Mamãe, eu não queria
Não, não, não
Servir o exército

Você sabe muito bem que é obrigatório
E além do mais você tem que cumprir com seu dever com orgulho
Mamãe, eu não queria

Você sabe muito bem que é obrigatório
E além do mais você tem que cumprir com seu dever com orgulho e dedicação
Mamãe, eu morreria
Pela causa, meu filho, pela causa

Mamãe, eu não queria
Mamãe, mamãe
O exército é o único emprego pra quem não tem nenhuma vocação, mulé
Mamãe, mamãe
Eu...

Volta ao Início


Mais I Love You (Pra Ser Feliz)
(Raul Seixas e Rick)

O que é que você quer?
Que eu largue isso aqui?
É só me pedir
Soldado ou bancário
Garçom ou chofer
Eu paro de ser

De ser cantor
É só dizer
Pra não morrer
Meu único amor

Eu largo o que sou
Vou ser zelador
De um prédio qualquer

Sentado ao portão
O portão dos sonhos
Que você sonhou

Diga o que você quer
Se acaso você quiser
Feliz eu serei o seu nada
Mas um nada de amor

Eu lavo e passo
Sirvo a mesa e faxino
Aprendo e te ensino

Posso até dirigie
Comprar um táxi
Só pra lhe servir

Deixo de ser coruja
Pra ver sua cotovia
É só viver de dia
Pra você ser feliz

Volta ao Início


Geração da Luz
(Raul Seixas e Kika Seixas)

Eu já ultrapassei a barreira do som
Fiz o que pude às vezes fora do tom
Mas a semente que eu ajudei a plantar já nasceu!

Eu vou, eu vou m'embora apostando em vocês
Meu testamento deixo minha lucidez
Vocês vão ter um mundo bem melhor do que o meu!

Quando algum profeta vier lhe contar
Que o nosso sol tá prestes a se apagar
Mesmo que pareça que não há mais lugar
Vocês inda tem
Vocês inda tem
A velocidade da luz pra alcançar

Além depois dos velhos preconceitos morais
Dos calabouços, bruxaas e temporais
Onde o passado transcendeu
Há um reinado de paz!

Vocês, serão o oposto dessa estupidez
Aventurando tentar outra vez
A Geração da Luz é a esperança no ar!

Volta ao Início

 

Volta ao Menu de Discos