Chakras, a Fonte de Juventude

Com base nos ritos mágicos dos monges tibetanos, nesses exercícios abaixo retirados do livro A Fonte da Juventude de Petter Kelder, prometem melhorar a aparência, recuperação da memória, além de proporcionar o alívio para males crônicos (sinusite, artrite, má digestão).

Essas curas, são reflexo da abertura dos Chakras, já que todos exercícios tem influência na coluna vertebral.

Os Ritos podem ser feitos pela manhã ou à noite, o que for mais conveniente. Poderá ser também ser praticado nos dois horários. No inicio o autor recomenda iniciar casa rito com repetições de apenas 3 vezes e ir aumentando diariamante. Mas saiba que não é necessário executar os ritos mais que 21 vezes ao dia, a não ser que esteja muito motivado para isso.

RITO 1

Tudo o que você tem a fazer é ficar de pé, ereto, com os braços estendidos para os lados, na horizontal. Em seguida, gire de um lado a outro até ficar um pouco tonto. Lembre-se! é importante começar a girar partindo da esquerda para a direita. Em outras palavras, se você colocasse um relógio deitado no chão, teria de girar no seguindo os ponteiros deste.

De início, a maioria dos adultos não conseguiram girar mais do que meia dúzia de vezes sem ficar bastante tonto. Como iniciante, você não deverá tentar mais do que isso. Se tiver vontade de sentar ou deitar para se recuperar da tontura, faça-o à vontade. Então nas primeiras vezes, pratique o rito somente até sentir uma ligeira tontura. Com o tempo, à medida que for fazendo todos os cinco ritos, você será capaz de girar cada vez mais vezes, sentindo menos desconforto.

Para diminuir a tontura, você pode agir como os dançarinos ou patinadores. Antes de começar a girar, focalize a vista num único ponto a sua frente. À medida que for começando a girar, continue fixando esse ponto até onde for possível. Ele acabará saindo do seu campo de vista. Quando isso acontecer, vire a cabeça bem rápido e volte a fixá-lo. Esse ponto de referência lhe permitirá ficar menos desorientado e menos tonto.

O giros em exeesso superestimam alguns dos vórtices, acabando por deixá-los esgotados. Tal prática tem o efeito de inicialmente acelerar o fluxo de energia vital, mas depois bloqueia. Esse aumento e diminuição excessivos fazem com que o dervixe experimente uma espécie de 'maré psíquica', que confunde com um fenômeno espiritual ou religioso.

Não devemos cometer excessos, uma dúzia de giros é o suficiente para estimular os vórtices.

RITO 2

O segundo rito estimula ainda mais os sete vórtices. Ele também é muito simples. A pessoa fica deitada de costas no chão, sobre um tapete ou qualquer outro forro macio. Os lamas executam o exercícios sobre o que os acidentais chamam de "tapete de oração", com cerca de 60 centímetros de largura e 1,80 metro de comprimento. Ele é bem espesso, feito de lã e um tipo de fibra vegetal. Sua única função é proteger o corpo do frio. No entanto, costuma-se atribuir um sentido religioso a tudo que os lamas fazem, daí o nome de tapete de oração.

Uma vez deitado de costas, estenda os braços ao longo do corpo e vire as palmas das mãos para o chão, mantendo os dedos fechados. Então, erga a cabeça do chão, encostando o queixo no peito. Ao mesmo tempo, vá levantando as pernas, com os joelhos retos, até ficarem na vertical. Se possível, deixe as pernas descerem para trás, ficando sobre a cabeça, mas não dobre os joelhos.

Depois, vagarosamente, abaixe a cabeça e pernas, mantendo os joelhos firmes, até voltar à posição inicial. Deixe os músculos relaxarem e depois repita o rito.

Ao repetir, vá estabelecendo um ritmo mais lento em respiração. Inspire profundamente quando estiver levantando as pernas e a cabeça, exale ao descê-las. (Inspire e exale sempre pelo nariz.) Entre as repetições, no relaxamento, continue respirando no mesmo ritmo. Quando mais profundas as respirações, melhor.

Se for incapaz de manter os joelhos perfeitamente retos, só dobre-os o mínimo necessário. Mas, prosseguindo na prática, empenhe-se em manter as pernas sempre bem estendidas.

Um dos lamas me contou que, quando iniciou a prática deste rito, ele era tão velho, fraco e decrépito que não tinha como manter as pernas retas. Por isso, começou erguendo as pernas dobradas. Pouco a pouco foi ganhando mais elasticidade e, no final de três meses, já era capaz de esticá-las por completo

RITO 3

Incline a cabeça para a frente, até o queixo tocar o peito. Depois, atire a cabeça para trás, o máximo possível e, ao mesmo tempo, incline-se para trás, o máximo possível e, ao mesmo tempo, incline-se para trás, arqueando o corpo. Nesse movimento você se escorará nas mãos que se apoiam nas coxas. Feito isso, volte à posição original e comece de novo o rito.

Como no Rito 2, você deve estabelecer uma respiração ritmada. Inspire profundamente quando arquear a espinha e exale ou voltar à posição ereta. A respiração profunda é extremamente benéfica, por isso encha os pulmões o máximo que conseguir.

RITO 4

Primeiro, sente-se com as pernas estendidas para a frente, deixando uma distância de uns quarenta centímetros entre os pés. Mantendo o corpo ereto, coloque as palmas das mãos no chão, voltadas para a frente, ao lado das nádegas. Depois, incline a cabeça, fazendo o queixo tocar o peito.

Em seguida, incline a cabeça para trás o máximo possível. Ao mesmo tempo, erga o corpo de modo que os joelhos dobrem enquanto os braços permanecem retos. O tronco e as coxas deverão ficar retos, horizontalmente em relação ao chão; os braços e as pernas estarão em posição perpendicular ao chão. Então, tentarão em posição inicial e descanse antes de repetir o exercício.

Uma vez mais, a respiração é importante. Inspire profundamente ao elevar o corpo, segure a respiração durante a tensão dos músculos e exale completamente enquanto voltar à posição inicial. Continue respirando no mesmo ritmo no intervalo entre as repetições.

RITO 5

Deite-se de bruços no chão. Em seguida, erga o corpo, apoiando-se nas palmas das mãos e dedos dos pés, que deverão ficar flexionadas. Durante todo o rito, mantenha um distância de cerca de 50 centímetros entre os pés e entre as mãos.

Mantendo pernas e braços retos, arqueie a espinha e leve a cabeça para trás o máximo possível. Depois, dobrando-se nos quadris, erga o corpo até ele ficar como um "V" invertido. Ao mesmo tempo, encoste o queixo no peito. Volte à posição inicial e repita.

O ritmo talvez pareça difícil, mas garanto que, após uma semana de prática, você vai considerá-lo um dos mais simples. Quanto o estiver executando com destreza, tencione os músculos por um instante, tanto no ponto mais alto como no mais baixo. E, ao abaixar o corpo, procure encostá-lo de leve no chão.

Siga o mesmo padrão de respiração profundas e lentas que usou nos outro rito. Inspire ao erguer o corpo e exale quando o abaixar.

O objetivo dos ritos é normalizar a velocidade dos vórtices: eles aumentam essa velocidade até a média apresentada por indivíduos com cerca de 25 anos.

Fonte da Juventude
Petter Kelder


Texto extraído da Internet

 

 

Voltar