O Santo Sudário de Turim

Muitos acreditam que o santo-sudário é o manto que enrolou o corpo de Jesus, mas há uma teoria nos livros de Christopher Knight e Robert Lomas, "The keys of Hiram" (As chaves de Hiram) e "The second Messiah" (O segundo Messias) que diz que na verdade poderia ser o pano que enrolou os restos do Mestre Jacques DeMolay, que teria sido torturado certos meses antes de sua execução em 1307. A imagem abaixo refere-se a uma imagem total do Sudário - visão das imagens de frente e costas:

Abaixo encontra-se ima imagem da face do Sudário - no original (à esquerda) e no "negativo" (à direita), que pela nitidez é considerado o positivo fotográfico. Observe a riqueza de detalhes da imagem:

Imagem ampliada das mãos - observe a mancha escura na altura do punho, provocada pela hemorragia decorrente do cravo utilizado na crucifixão:

Imagem total da parte dorsal do corpo observado no Sudário - observe nos detalhes realçados pelas setas a presença de manchas de sangue decorrentes da utilização dos chicotes:

Imagem positiva da face do Sudário, manipulada, evidenciando as marcas de sangue deixadas pelos inúmeros ferimentos:

Simulação da colocação dos cravos nos pés do crucificado, conforme observado no Sudário - os pés foram presos à cruz por cravos, mas o pé esquerdo foi colocado sobre o pé direito e seu cravo transfixava ambos os pés:

Imagem positiva da face do Sudário - observe o detalhe realçando a imagem dos olhos, cuja análise permite afirmar que foram colocadas moedas sob as pálpebras:

Imagem ampliada dos olhos - observe a presença de uma área com relevo bastante acentuado, denunciando a presença das moedas sob as pálpebras:

Manipulação de ambas as imagens do Sudário - evidenciação de seu caráter tridimensional:

Detalhe ampliado da face do Sudário, evidenciando ainda mais a sua propriedade tridimensional:

Testemunho do Evangelho:

Mt 27, 57-60 - "Chegada a tarde, veio um homem rico de Arimatéia, de nome José, discípulo de Jesus. Apresentou-se a Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus. Pilatos então lhe ordenou que lhe fosse entregue. Tomando o corpo, ele envolveu-o num lençol limpo, e depositou-o no seu próprio sepulcro, inteiramente novo, que fora cavado na penha, e, correndo uma grande pedra à porta do sepulcro, retirou-se."Alguns argumentos em favor do Sudário:

1- A imagem do Sudário se dá em negativo, ou seja, as partes mais escuras ficaram claras e as claras escuras, como no negativo de uma fotografia sendo que tanto à 2000 anos como na idade média a fotografia era totalmente desconhecida.

2- Não se encontrou nenhum indicio de pintura ou reação quimica no Sudário. A imagém é meramente superficial não atingindo o tecido profundamente.

3- A imagem do Sudário é tridimensional. Quer dizer, se associarmos as partes claras uma distancia menor e as partes escuras uma distancia maior é possível ver o relevo de um corpo humano de forma perfeita. NUNCA uma outra imagem apresentou isso.

4- A imagem do Sudário é perfeitamente proporcional e não deformada o que mostra que não foi feita por contato direto. A idéia de se passar alguma substância num cadaver para ver se ocorre uma impressão esta completamente eliminada.

5- O homem do Sudário aparece coroado de espinhos, com uma ferida de lança ao lado indentica a usada pelas lanças dos soldados romanos na época e com as pernas não quebradas. Somando a isso o fato de simples condenados a cruz em geral não serem sepultados em sim jogados numa cova afasta completamente a hipotese de ser outro crucificado que não Jesus.

6- O Sudário mostra que o homem que nele aparece foi crucificado pelos pulsos. Na idade média devido a problemas de origem linguistica no evangelho acreditava-se que Cristo tivesse sido crucificado pelas palmas das mãos. Sabe- se hoje pela anatomia que as pessoas eram crucificadas com o prego passando pelo espaço de Destot e quando isso ocorre o polegar encolhe conforme está no Sudário. Esse conhecimento de anatomia não existia na idade média.

7- O tecido do Sudário é composto de fios de linho com traços de fibra de algodão do tipo Gossypium herbaceum que muito cultivado no I século no oriente médio não existe na Europa.

8- Foram achados 33 tipos de pólen de plantas que só crecem na Turquia e na região de Jerusalém confirmando que o Sudário esteve em Jerusalém e em Constantinopla.

9- Os judeus do tempo de Jesus tinham o costume de colocar moedas sobre os olhos do defunto. Exames avançados do Sudário confirmaram isso na imagem e permitiram até identificar quais eram as moedas.

10- Nos primeiros séculos Jesus Cristo era representado em imagens de varias formas. Havia duas predominantes, uma com cabelo curto e sem barba outra com cabelos longos e barba. A partir do século VII aconteceu algo que fez com que somente a imagem de Jesus com barba continuase sendo usada. Isso seria logo após a descoberta do Sudário em Edessa que supostamente teria influenciado as imagens.

11- O exame de C14 já falhou varias vezes datando como morta a milhares de anos uma árvore ainda viva e datando com mais recentes amostras de antiguidade conhecida.

12- Até hoje, com toda a tecnologia que se tem ninguém jamais conseguiu reproduzir uma imagem semelhante a do Sudário.

O "mapa" do Sudário, feito sobre o negativo fotográfico do lençol, revela os seguintes elementos:

Simbologia:

Queimaduras devidas ao incêndio que danificou o Sudário em 1532;

Remendos aplicados, em 1534, sobre as partes destruídas do tecido;

Manchas produzidas pela água utilizada para apagar o fogo;

Ferimentos causados pelos açoites nas costas; gotas de sangue provocadas por perfurações na cabeça; ferida decorrente do transpassamento do pulso esquerdo; rastros do sangue que escorreu pelos antebraços durante a crucifixão; ferida causada por transpassamento no lado direito do tórax; rastro do sangue que escorreu da ferida do tórax; mancha de sangue resultante do transpassamento dos pés; contusão produzida pelo transporte da barra horizontal da cruz (círculos nas costas).

Fonte: O Santo Sudário, Jaime Espinosa, Quadrante, 1991.

 

 

Voltar